Metamorfose no cenário independente

Por: Sara Moraes e Tanise Arruda

Na sua terceira edição, o festival mais rock and roll da fronteira oeste trouxe novidades no seu formato de apresentação. O evento, que ocorreu no ano de 2013, foi um sucesso de público e arrecadação de alimentos. Contou com a presença de várias bandas independentes, uma delas, a banda Tercer Día da cidade de Santo Tomé, agregou os nossos vizinhos argentinos no circuito musical de São Borja. Até então, com um caráter competitivo, o espetáculo havia conseguido conquistar um público fiel mas, foi na terceira edição com a transição para um formato não competitivo, que o PampaStock alcançou um formato mais abrangente.

Confira a seguir um vídeo sobre a mudança do formato do evento:

 

Em seu terceiro ano de edição, o PampaStock ampliou seus objetivos, abandonando o formato de competição. O festival, que contava com a participação de bandas de todo o estado, muitas delas já famosas e com carreiras consolidadas, passou a focar nos grupos musicais da região. Nesse contexto, esses grupos tiveram a oportunidade de se apresentarem para um público sedento pelo rock gaúcho, alguns deles pela primeira vez. O evento passou a contar também com a presença das bandas que representam cada um dos campi da universidade, proporcionando que os alunos das outras cidades participem ativamente do projeto, conforme ressalta a egressa do curso de jornalismo Rosana dos Anjos: “É uma forma de integrar os demais campi que antes participavam como meros expectadores, agora são parte ativa do projeto como um todo.”

FOTO 1

Foto: Arquivo PampaStock

Um dos diferenciais da terceira edição que contribuíram para o crescimento do festival, foi a mobilização da turma da disciplina Sociologia do Rock para formar comissões de organização, que eram distribuídas por setores como alojamentos e divulgação. Dentro da última, a Caravana do Rock, a qual já existia nas edições anteriores, mas a partir dessa edição assumiu o importante papel de percorrer todos os campi da Unipampa, divulgando o evento e convidando os alunos para participarem, o que, de acordo com a aluna de Relações Públicas, Thaysa Flores, reiterou a ideia de mudança.

Trazer o rock para dentro da academia é uma tarefa complexa, e o terceiro ano do PampaStock assumiu um caráter acadêmico, inserindo em sua programação um ciclo de palestras, o qual possui o objetivo de trazer discussões sociais, antropológicas, políticas e culturais na perspectiva do rock. Leandro Comassetto, professor no curso de jornalismo, fez parte do quadro de palestrantes nessa edição e abordou o preconceito que o rock sofreu e ainda sofre. Em entrevista para a nossa equipe, Comassetto falou da importância do PampaStock para a Unipampa e a sociedade.

Confira o áudio a seguir:

 

A maneira com que o público recebeu essas transformações foi satisfatória, o evento musical além de dar visibilidade para as bandas independentes da região, passou com o apoio da Universidade, a desempenhar um importante papel na formação acadêmica dos alunos e se firmou com uma extensão da mesma, fazendo parte da agenda cultural da cidade.

FOTO 2

 Foto: Arquivo PampaStock

As modificações realizadas na configuração do evento se justificaram de várias maneiras, dentre elas, na concretização do festival como prática acadêmica e como espaço cultural que intensifica a relação da música com a sociedade. Um dos idealizadores do PampaStock, o professor Cesar Beras, fala dos porquês da nova roupagem: “Nas duas primeiras, além das bandas consagradas (Replicantes, Acústicos, Alemão Ronaldo, Cachorro Grande), tínhamos o sistema de competição, que eram ambas ações estratégias de afirmação e consolidação no festival e que surtiu efeito, em cada edição, uma média de 60 bandas inscritas de todo o Rio Grande do sul. A partir da terceira edição, avaliamos que o festival estava consolidado e que trazer bandas de fora encarecia muito o festival.”

Assim, a terceira edição do PampaStock foi o marco inicial de uma nova roupagem do evento, agora sem competição e com bandas mais regionais. Também houve um ganho acadêmico por conta das palestras. Dessa forma, o evento auxilia a Unipampa a cumprir um de seus papéis: o de extensão. Isso acaba oportunizando a relação entre Universidade e sociedade.